Governo Moçambicano Espera Apoio da Europa para Enfrentar a Situação de Cabo Delgado

Governo Moçambicano Espera Apoio da Europa para Enfrentar a Situação de Cabo Delgado

Verónica Macamo, ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, confirmou, hoje, 04 de outubro, que o governo do seu país enviou um pedido de apoio à União Europeia, com vista a ajudar o país a combater o terrorismo na região de Cabo Delgado. Entretanto, o pedido, que foi enviado há mais de dez dias, ainda não tem resposta daquele organismo europeu.

 

A governante moçambicana diz que guarda a esperança de que a União Europeia irá responder afirmativamente ao pedido feito pelo executivo moçambicano, uma vez que a carta detalha a situação que ocorre naquela região de Moçambique, chamando atenção ao bloco europeu para a situação difícil que o país, e particularmente o povo da região, enfrenta. Assim sendo, o governo de Moçambique solicita apoio no que concerne à logística para as forças de Defesa e de Segurança que lutam contra os insurgentes na Província. Outrossim, solicitam apoios no que diz respeito à formação específica, considerando que a estratégia de ação dos terroristas é pouco comum e os agentes da defesa e segurança do país não têm ‘know how’ para lidarem com situações similares.

O governo moçambicano aproveitou a mesma missiva para pedir à União Europeia meios para financiamento de projetos de desenvolvimento para o norte do país, com particular destaque para a Província de Cabo Delgado, onde ocorrem massacres à população. Com isso, pretende-se combater as narrativas dos insurgentes que recorrem a fatores ligados à pobreza para atraírem os jovens para as suas fileiras.

Até agora, segundo a ministra Verónica Macamo, a União Europeia não se pronunciou sobre os pedidos de Moçambique. Porém, a mesma garante que Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros português, disse que Portugal irá fazer uma diplomacia pedagógica junto da União Europeia, com vista a incentivar a aprovação do pedido de Moçambique. Outro indicativo que poderá contar a favor de Moçambique, nessa cruzada contra a violência no norte do país, é o facto de Portugal assumir a presidência rotativa da União Europeia, a partir de Janeiro próximo, o que poderá constituir mais aliança para o país na procura de recursos para criar as condições de assegurar tranquilidade e segurança à população do Norte, particularmente, da Província de Cabo Delgado.