Prémios Nobel de Física 2020: Roger Penrose, Andrea Ghenz e Reinhard Genzel

Prémios Nobel de Física 2020: Roger Penrose, Andrea Ghenz e Reinhard Genzel

Os premiados do Nobel da Física este ano são Roger Penrose, Andrea Ghenz e Reinhard Genzel. O primeiro conseguiu realizar um feito importante, que é ter descoberto que a formação de buracos negros é uma predição robusta da Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein; quanto aos dois últimos, a distinção deve-se à “descoberta de um objeto compacto supermassivo no centro da nossa galáxia”.

 

O prémio foi entregue nesta terça (06), na Real Academia Sueca da Ciências em Estocolmo, e o valor entregue é de dez milhões de coroas suecas, que corresponde a 957 mil euros.

Roger Penrose provou que os buracos negros (regiões do espaço-tempo em que o campo gravitacional é tão intenso que nada, nem mesmo a luz, lhe escapa) são uma consequência direta da Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein, um cientista que nem sequer acreditava que estes corpos existiam.

 Foi Penrose que, muito depois da morte de Einstein, descreveu, pela primeira vez, os buracos negros como singularidades — pontos no espaço cuja dinâmica não pode ser completamente compreendida porque todas as leis da física se quebram, avançou o jornal Observador.

No ano passado, o Nobel da Física foi atribuído a três cientistas pelos seus trabalhos na física dos ‘lasers’, ou numa linguagem mais simplificada, pelo desenvolvimento de ferramentas feitas de luz: o norte-americano Arthur Ashkin, o francês Gerard Mourou e a canadiana Donna Strickland

Em todos esses anos, três mulheres já foram laureadas com o prémio: Marie Curie, Maria Geoppert-Myer e Donna. Já, a maioria dos vencedores do prémio Nobel de Física são germânicos.

DSM / Jornal Arquipélago - 2020.