BCV Prorroga Prazo do Programa de Financiamento de Longo Prazo Por Mais 12 Meses

BCV Prorroga Prazo do Programa de Financiamento de Longo Prazo Por Mais 12 Meses

O Banco de Cabo Verde (BCV) vai prorrogar o prazo do programa de financiamento de longo prazo até dezembro de 2021, através da Operação Monetária de Financiamento (OMF), para minimizar o impacto da crise provocada pela pandemia da COVID-19 na economia nacional.

De acordo com uma informação do BCV consultada pela Inforpress,  o objectivo dessa medida é tentar restaurar e reforçar a confiança dos agentes económicos, bem como estimular a retoma da actividade económica, amparado por pressões contidas na inflação e na balança de pagamentos.

A mesma fonte ressalva, no entanto, que poderá proceder à avaliação e revisão do programa, a meio do ano, podendo revisitar o prazo, em função das necessidades e da evolução da economia.

“O ajustamento do programa, considerando a experiência do primeiro pacote implementado, passando o montante de colocação mensal para 3 mil milhões de escudos, podendo atingir o montante anual de 36 mil milhões de escudos, o que representa cerca de 80,0% do stock actual da dívida pública junto da banca nacional”, explica.

O Banco de Cabo Verde, adverte por outro lado, que não obstante a previsão de recuperação da actividade económica em 2021, continua a ser necessário fornecer liquidez ao sistema bancário, no sentido de assegurar a confiança num contexto de incerteza.

Esta deliberação saiu de uma sessão ordinária do conselho de administração da instituição, realizada no dia 18 de Dezembro, que aprovou um conjunto de procedimentos para a operacionalização da OMF, garantidos pelo Estado de Cabo Verde, que servem como orientação da política monetária actual nacional e internacional.

Segundo o BCV, esses procedimentos, norteiam-se também, para o reforço da confiança dos agentes económicos na autoridade monetária como provedor de liquidez de última instância e do crédito à banca, podendo contribuir para mitigar o impacto da crise sanitária na economia nacional.

“Tais medidas de política monetária visam, essencialmente, preservar o factor “confiança” nos mercados, ao sinalizar à banca uma total disposição do banco central em ceder fundos em casos de stress ou escassez de liquidez, e reforçar a orientação da política monetária para um maior estímulo ao crédito e ao crescimento económico”, esclarece a nota do Banco Central.

PLS/Jornal Arquipélago-c/Inforpress