Governo de Cabo Verde Acredita que Haverá Condições Para Efetivação da Zona Livre de Comércio Africana em 2021

Governo de Cabo Verde Acredita que Haverá Condições Para Efetivação da Zona Livre de Comércio Africana em 2021

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Filipe Tavares, disse nesta terça-feira que haverá condições para a efectivação da zona livre de comércio africana (ZLEC), em 2021. A informação é avançada pela Inforpress.

As declarações surgem à margem da inauguração de um painel informativo com imagens e texto que fazem o resumo da história da antiga hidrobase da Aéropostale, uma companhia de aviação pioneira fundada em 1919, na França, localizada em Calheta de São Martinho, Ribeira Grande de Santiago.

Luís Filipe Tavares fazia assim o balanço da 13ª e 14ª sessão extraordinária da Assembleia da União (UA) Africana, que aconteceu por videoconferência, nos passados dias 05 e 06 de Dezembro.“Tínhamos dois pontos importantes na ordem do dia: um primeiro, que tinha a ver com a questão comercial, a zona do comércio livre continental africana, que é importante e depois, também, falamos de um projecto da União Africana, desde 2013, o calar das armas em África”, afirmou.

Relativamente ao assunto do segundo ponto, o chefe da diplomacia cabo-verdiana realçou que trata-se de um esforço que é feito pela Comissão da União Africana, pelo Comissário que tem a pasta da Paz e da Segurança, mas que, infelizmente, continua a haver muitos conflitos e muitos problemas no continente.

Quanto à zona de livre comércio continental africana, Luís Filipe Tavares relembrou que Cabo Verde já retificou e entregou os documentos na sede da União Africana em Addis Abeba, Etiópia, e que se está, neste momento, na fase de negociações comerciais.

“Temos uma equipa técnica comercial coordenada pelo Ministério da Indústria, Comércio e Energia, com vários técnicos nacionais e vamos continuar a negociar para que de facto a zona de livre comércio possa também se efetivar aqui no nosso país. Vão começar agora as transacções comerciais, há cerca de 80% dos produtos que já foram acordados ou negociados”, acrescentou. 

Segundo o governante, existe um acordo comercial nessa matéria, mas vários aspectos terão ainda que serem afinados, como as regras de origem, as pautas e outros instrumentos técnicos que estão a ser negociados neste momento pelas equipas técnicas dos 55 países membros da União Africana. “É um processo multilateral, envolve todos os países membros da União Africana. Neste momento, é importante dizer que grandes países já depositaram na sede da UA os instrumentos de ratificação, ou seja, ratificaram os instrumentos mais importantes, vamos continuar a fase negocial”,salientou.

Para finalizar, Luís Filipe Tavares disse acreditar que em 2021, entre Junho, Julho e Agosto, está-se-á em condições de efetivar essa zona de livre comércio continental africana, acrescentando que “é muito importante para a integração regional em África”. 

PLS/Jornal Arquipélago-c/Inforpress