Trabalhadores do IEFP Iniciam Greve de Três Dias

Trabalhadores do IEFP Iniciam Greve de Três Dias

Os trabalhadores do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) iniciam hoje uma greve de três dias, contra a “falta de garantia da publicação do Plano de Cargos Carreiras e Salários (PCCS), da grelha salarial e da lista de transição” avançou à Inforpress  o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (Sintap), Luís Lima Fortes.

 

 

Segundo a Inforpress que cita o sindicalista Luís Lima Fortes, “não saiu nenhuma garantia” da publicação dos dois documentos, apesar de serem uma “reivindicação antiga desses trabalhadores”.

“Ficaram por oferecer um documento com a aprovação desses dois instrumentos, mas até agora não o recebemos. O Sintap não tem elementos suficientes para levantar a greve”, explicou o sindicalista , para quem “enquanto não houver garantias vão prosseguir com a greve”, porque “os trabalhadores já estão fartos de promessas”.

Segundo a mesma fonte, além da não publicação do PCCS e da lista de transição, havia outras reivindicações, das quais deveriam ser resolvidas a partir de 1 de Janeiro de 2020, mas, foram prorrogadas para 1 de Janeiro de 2021.

Recorde-se que, no dia 26 de Novembro, os trabalhadores do IEFP já tinham anunciado o pré-aviso da greve, e neste dia, o líder do Sintap, Luís Lima Fortes, dissera em conferência de imprensa que a primeira proposta para a aprovação do PCCS e da lista de transição e grelha salarial aconteceu em 2017, mas o processo “tem consumido tempo, energia e recursos significativos” aos funcionários do IEFP. O mesmo afirmou que desde Setembro de 2020, altura em que os sindicatos apresentaram a última proposta com “alterações significativas” do PCCS à secretária de Estado da Modernização Administrativa, na presença dos representantes do IEFP, “não houve nenhuma informação e garantia sobre a aprovação” do documento por parte do Governo.

 

PLS/Jornal Arquipélago