António Guterres Apela ao Diálogo na Costa do Marfim

António Guterres Apela ao Diálogo na Costa do Marfim
O Secretário-Geral das Nações Unidas  apelou, hoje, a um diálogo construtivo e inclusivo entre todos os atores políticos da Costa de Marfim, para se dar um fim à tensão vivida no país desde as eleições de sábado.
 
A tensão surgiu com a vitória de Alassane Ouattara, de 78 anos, que foi reeleito para um terceiro mandato, com 94,27% dos votos, nas eleições presidenciais de 31 de Outubro, na Costa do Marfim. O país vive, atualmente, uma grande crise, sendo marcado por atos de violência e mortes porque a oposição se recusa a aceitar os resultados que dão a vitória a Alassane Ouattara. 
António Guterres, Secretário-Geral das Nações Unidas, instou o presidente eleito, Alassane Ouattara, e os líderes da oposição a conversarem, a fim de se encontrar uma saída para a crise, "a favor da coesão social". Aconselhou, igualmente, a todos os atores políticos a "respeitarem a ordem constitucional e os princípios de Estado de Direito".
Estas declarações foram proferidas após a oposição ter questionado os resultados das eleições de sábado, que deram a vitória a Ouattara, e terem optado por criar um conselho nacional que deverá servir como "Governo de transição".
Após o boicote da eleição, a oposição fez um apelo à ‘desobediência civil’ e classificou o terceiro mandato presidencial como ‘inconstitucional’, na medida em que a Constituição da Costa do Marfim permite o máximo de dois mandatos presidenciais.
Os recentes atos de violência tem dizimado a vida de várias pessoas. Estima-se que três mil pessoas tenham morrido devido à recusa do antigo presidente, Laurent Gbagbo, de admitir a derrota face ao presidente Alassane Ouattara.