COVID-19 | China Ajuda Guiné-Bissau com Veículo de Desinfeção

COVID-19 | China Ajuda Guiné-Bissau com Veículo de Desinfeção

O governo chinês continua a sua política expansionista em África e, perante este momento da pandemia que o mundo enfrenta, são muitas as oportunidades de agir junto das sociedades africanas, frágeis em termos políticos, débil economicamente e com parcos recursos financeiros para enfrentar a COVID-19. Desta feita, a China acaba de fazer mais uma ação de cooperação/solidariedade junto da Guiné-Bissau, oferendo um veículo de desinfeção, com vista a ajudar no combate à COVID-19. Nesse lote de oferta, entra ainda materiais médicos e hospitalares.

 

 

Do total das ajudas da República Popular da China entregues esta segunda-feira, 09 de novembro, em Bissau, capital da Guiné-Bissau, às autoridades locais, conta-se 54 mil máscaras cirúrgicas, 1700 batas médicas, 300 máscaras de proteção facial, 500 pares de luvas médicas. Mas, as ajudas não ficam por aí. O jornal bissau-guineense, O Democrata, fala, ainda, em “cem (100) toucas hospitalares descartáveis, seiscentas (600) pares de capas  descartáveis  de sapatos, vinte (20) máscaras  de oxigénio, um veículo de desinfeção UV, cinco termómetros sem contato, bem como vários tipos de desinfetantes e medicinais, nomeadamente: desinfetantes líquidos e pastilhas de fosfato de cloroquina”.    

António Deuna, ministro da Saúde Pública, realça as ajudas que o seu ministério tem recebido da China, destacando uma câmara de filmagem e muitos lotes de materiais. Para o governante, esses materiais ajudam a combater, com eficácia, a Covid-19. “O veículo de desinfeção UV ajudará na desinfeção da cidade e posteriormente para as regiões do país”, advoga.

Guo Ce, embaixador da China em Bissau, lembra que aquele é o terceiro lote de apoios que a China oferece à Guiné-Bissau no quadro das políticas de cooperação para o combate à Covid-19. “Para enfrentar essa pandemia a China adotou um conceito: o mundo é uma família”, reforçou o diplomata chinês em Bissau.

Escreve diário eletrónico O Democrata que Guo Ce realçou “que, no futuro, a China será o líder da organização mundial de saúde (OMS) no combate ao novo coronavírus, protagonista de maior fornecedor mundial de materiais. Assegurou, contudo, que a República Popular da China continuará a apoiar os esforços em África, particularmente  os países que mais precisam”.

O novo coronavírus apareceu na China em Dezembro de 2019. Até este momento, são poucos os países ou territórios autónomos, a nível mundial, onde o vírus não tenha chegado. Os mortos, estes contam-se aos milhões. Estados Unidos, Brasil, Espanha e Itália são os países onde as sirenes soaram.