COVID-19 | Governo de Portugal Já Tem Plano de Vacinação e Promete Vacinar Todos os Residentes

COVID-19 | Governo de Portugal Já Tem Plano de Vacinação e Promete Vacinar Todos os Residentes

O mundo está expectante para que se conheça a vacina que poderá levar as pessoas à ‘velha normalidade’. Um pouco por todo o mundo, os governos e blocos de países preparam-se para adquirirem as primeiras vacinas a serem aprovadas, com vista a poderem cortar a cadeia de transmissão do novo coronavírus e, com isso, poder tirar as máscaras dos rostos das pessoas. Em Portugal, o governo diz que nenhum residente ficará sem a vacina.

 

António Lacerda Sales, Secretário de Estado Adjunto da Saúde de Portugal, fez saber, esta quinta-feira, que o plano de vacinação contra o novo coronavírus tem possibilidades de correr bem. Porém, considera que não se poderá baixar a guarda, quer na componente da cautela que as pessoas devem ter com a atual situação, quer na questão da prevenção da doença.

Portugal já tem um plano de vacinação contra a COVID-19. O documento estratégico foi apresentado esta quinta-feira, pondo, no topo das prioridades, os doentes de risco com mais de 50 anos, os idosos que se encontram nos lares de acolhimento e os profissionais da saúde, que são dos grupos sociais mais susceptíveis de estarem em contacto com o vírus.

O plano de vacinação contra a COVID-19 de Portugal é bastante ambicioso. Prevê, nos primeiros seis meses depois da chegada dos fármacos ao país, vacinar entre 30 a 40 por cento da população, correspondendo a um universo de acima de três milhões e seiscentas mil pessoas. Para esse universo populacional, prevê-se a aplicação de onze milhões de doses de vacinas.

Realçando que não se vai vacinar todas as pessoas ao mesmo tempo, o Secretário de Estado da Saúde de Portugal diz que “nenhum residente em território português ficará sem vacina”.

Com um amplo processo de vacinação, é possível provocar a imunidade de grupo e, com isso, quebrar a cadeia de transmissão do vírus, até conseguir-se neutralizar o novo coronavírus. O Secretário de Estado da Saúde de Portugal salienta que a imunidade de grupo se alcança quando a vacinação atinge entre 70 a 80 por cento da população do país. Para chegar a esses dados, teve que se suportar em estudos científicos.

Numa entrevista concedida à rede televisiva TVI, o governante português afirma: “é evidente que as expectativas são altas, mas é importante dizermos que essas expectativas devem ser cautelosas para que as pessoas não pensem que logo que se começam a vacinar, podem libertar os seus comportamentos”.

Portugal, país da Europa com uma grande comunidade cabo-verdiana, entrou, novamente, em ‘Estado de Emergência’, devido à segunda ‘onda’ da pandemia, com proporções ainda maiores do que a primeira ‘onda’. As palavras do Primeiro-Ministro, António Costa, vão no sentido de que, no Natal, não se pode abrandar as medidas restritivas. Entretanto, o líder do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio (oposição) – que apoiou a medida de ‘Estado de Emergência’ –, pede que se venha a ‘abrir uma fresca’ no Natal, em termos de restrições.