Europa: Propagação da Covid 19 Ameaça Arranque Escolar

Europa: Propagação da Covid 19 Ameaça Arranque Escolar

A crescente subida dos casos positivos de Covid 19 tem ameaçado o início do ano escolar nos países europeus. Apesar dessa realidade, algumas escolas estão a preparar-se para abrir as portas aos alunos.

Na Europa, os dados sobre casos positivos de infeção pelo novo coronavírus situam-se na ordem dos 24.011.502 casos confirmados. Destes, contam-se 15.636.116 casos recuperados e 821.909 vítimas mortais.

A França prepara-se para abrir as suas escolas, mesmo depois da confirmação de cinco mil casos nas últimas 24 horas. Na Croácia, houve o registro de 358 casos nas últimas 24 horas. Itália registrou mil casos, o maior número diário do país depois da queda da curva.

Para o arranque do ano letivo, algumas medidas têm sido tomadas, como a realização de testes aos professores, a continuação das aulas a distância e a presença de um número restrito de estudantes nas salas de aula.

A situação complicou-se mais quando começaram a surgir evidências de que os jovens têm infetado outras pessoas em aglomerações sociais. Por isso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) tem aumentado os alertas para a camada jovem, como forma de evitar o contágio dessa faixa etária.

Para a OMS, uma reabertura das aulas num tempo em que a transmissão está a atingir o seu pico poderá trazer sérias complicações para a crise vivida.

É de se salientar que uma reabertura das salas de aulas em larga escala exige que haja um menor número de contágio. Para isso, as escolas devem estar preparadas e desenvolver um plano de açãopara a eventualidade de se registarem casosde contaminação, evitando que eles se alastrem no seio da comunidade estudantil.

Tendo em conta as incertezas que pairam no ar sobre o futuro da evolução da pandemia e o facto de as várias vacinas em teste ainda não terem entrado no mercado para travar o avanço do vírus, é preciso que haja muita cautela nas tomadas de decisões, quando as medidas impliquem aglomeração de pessoas. Ciente disso, a OMS recomenda que as escolas europeias só devam ser abertas quando a transmissão estiver controlada.