Matou a Mulher, Profanou o Cadáver e Apanhou 21 Anos de Prisão

Matou a Mulher, Profanou o Cadáver e Apanhou 21 Anos de Prisão

O Tribunal da Região Autónoma da Madeira (Portugal) condenou um homem de 40 anos a 21 anos de prisão efectiva por, em 2019, ter morto a companheira e profanado o cadáver. Os crimes foram praticados em julho de 2019, no Concelho da Calheta, na Ilha da Madeira.

 

Para o colectivo de juízes, presidido por Carla Menezes, “praticamente todos os factos” que constaram da acusação ficaram provados. Outrossim, a perícia psiquiátrica feita ao arguido concluiu que o homem sofria de um surto psicótico quando praticou o acto, mas os juízes não entenderam que isso era relevante.

O Diário de Notícias escreve que, “o coletivo chegou à conclusão de que, embora o arguido pudesse estar sob efeito de um surto psicótico, isso não foi relevante nos atos que praticou e condenou-o a 20 anos de prisão pelo crime de homicídio qualificado na forma consumada e a um ano e seis meses de prisão pelo crime de profanação de cadáver”.

Para além da pena de prisão, também o arguido foi condenado a pagar 230 mil euros aos familiares da vítima, que intentaram um processo civil, pedindo indminização.