Cabo Verde Vai Ter Embaixada na Guiné-Bissau

Cabo Verde Vai Ter Embaixada na Guiné-Bissau

O governo de Cabo Verde irá instalar, na Guiné-Bissau, uma embaixada, onde irá haver um embaixador residente. Ainda não se conhece o nome da pessoa que irá assegurar a novel unidade diplomática cabo-verdiana no estrangeiro, mas o governo avança que a nomeação acontecerá no próximo mês de janeiro.

 

Esta atitude, segundo Ulisses Correia e Silva, é uma forma de retribuir a iniciativa pioneira do governo guineense, que, em 2018, instalou, na cidade da Praia, a sua embaixada, tendo um embaixador residente.

“As relações diplomáticas, de história, cultura, mas também económicas que pretendemos ver desenvolvidas, justificam esta Embaixada. Mas também pela nossa importante comunidade em Guiné-Bissau que ver-se-á muito mais representada, pela proximidade, serviços e por sentir Cabo Verde presente”, escreve o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, assegurando que está a “dar um sinal muito claro, que só acontece quando há vontade política. Passamos dos discursos de afirmação de amizade histórica para concretização. Porque são amizades que precisam de concretização, realização, de avançar e consolidar-se. A Embaixada é também uma ponte para reforçarmos as nossas relações com a CPLP e a CEDEAO, onde ambos os países estão inseridos”.

Para além da embaixada a ser instalada na Guiné-Bissau, Ulisses Correia e Silva enaltece o facto de o seu governo ter criado “um Ministério da Integração Regional com intencionalidade de fazer com que as políticas de Integração tenham uma cara de representação, e que possam fazer com que esta integração seja vantajosa para a nossa economia, os empresários, investidores e aproveitar as complementaridades que existem”.