Parque Tecnológico de São Vicente deve ficar Pronto até Maio de 2021-Diz Primeiro-Ministro

Parque Tecnológico de São Vicente deve ficar Pronto até Maio  de 2021-Diz Primeiro-Ministro

Ulisses Correia e Silva disse hoje,  durante a visita às obras do Parque Tecnológico do Mindelo, que o empreiteiro perspectiva a entrega do Parque Tecnológico de São Vicente em Maio do próximo ano. 

 Em entrevista à Inforpress, o primeiro-ministro afirma que trata-se de “um bom empreendimento, uma boa infra-estrutura para dinamizar a economia digital em São Vicente. Vai ter Data Center, uma parte do Parque Tecnológico para receber incubadoras de empresas, formação e vai desempenhar um papel importante de um sector que em Cabo Verde temos um potencial grande”, garantiu o primeiro-ministro, para quem este investimento vai apoiar “ jovens com talento e com vontade de fazer” e “grandemente a infra-estrutura digital”. 

Questionado se há alguma mudança no orçamento da obra, Ulisses Correia e Silva disse acreditar que a obra “está dentro dos paramentos definidos”  e espera não haver “mais sobressaltos” para além dos provocados pela COVID-19. 

Segundo o governante, o Data Center no Mindelo vai funcionar em simultâneo com o da Cidade da Praia que já está em funcionamento.  Isto porque, conforme explicou, há necessidade de back ups (sistema de armazenamento de dados) e para além de servir a economia cabo-verdiana dá uma perspectiva de exportação de serviços.

“Em termos de tempo, há sincronia possível, tendo em conta que o da Praia já funciona. Este aqui é para depois servir de complemento, de bac kup e outras valências, nomeadamente o parque empresarial”, concretizou o chefe do Governo.

O Data Center do Mindelo insere-se no projecto de parque tecnológico de Cabo Verde, que representa um investimento de 35,9 milhões de euros, com cerca de 31 milhões financiados pelo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) e pretende cumprir o objectivo do Governo de transformar Cabo Verde numa “plataforma segura para o lançamento de negócios na África Ocidental e nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP)”.

PLS/Jornal Arquipélago-Inforpress