terça-feira, 07 dezembro 2021

E Economia

Movimento ‘Wake Up, Queen’ Almeja Empoderar Economicamente Mulheres Cabo-verdianas

O objetivo do movimento ‘Wake Up, Queen’, pretende trabalhar no empoderamento económico das mulheres. Além de as empoderar emocionalmente, tem também o intuito de ajudá-las a libertarem-se de um relacionamento abusivo.

O movimento irá promover um evento intitulado “Mulheres que transformam”, no próximo dia 06 de março, que irá decorrer na Cidade da Praia, ao qual visa empoderar as mulheres, oferecer um espaço de ‘Networking’ e competências para que elas possam gerir negócios de sucesso.

Segundo a fundadora do movimento, Mónica Coelho, “notamos que existe muita lacuna em mulheres que sabem fazer alguma coisa. Elas têm a parte técnica, mas a capacitação nas áreas de gestão e marketing fica muito a desejar, por isso é que estamos a organizar este grande evento com o apoio de alguns parceiros e com a participação de algumas oradoras que já são empresárias para capacitarmos essas mulheres”, sublinhou.

Assegurou ainda, que, através deste ‘workshop’, as 60 participantes vão ter ferramentas para aprimorarem as suas capacidades de ‘Know-how’ (saber fazer) para saberem como gerir os seus negócios e saberem onde podem ir buscar financiamento para os seus negócios e, ainda, empoderar as mulheres que ainda não começaram os seus negócios.

“Vamos formar um exército de mulheres fortes e empoderadas”, rematou.

Entre os temas em debate estarão os “desafios do empreendedorismo”, “meios de financiamento”, “digitalização dos negócios ou empreender no digital”, “fracassar é parte do sucesso”, “educação financeira e pró-labore” e casos de sucesso.

O evento irá acontecer no dia 06, numa unidade hoteleira da Cidade da Praia, conta com a participação das empresárias Loide Monteiro, Herman Freire, Zuleica Barbosa, Fernanda Pinto caso de Sucesso, Lúcia Cardoso e Any Borges.

Criada a 22 de Julho de 2019, o ‘Wake Up, Queen (acorda, rainha)’ tem como intuito acordar meninas e mulheres para uma vida livre de opressão, medos, baixa auto-estima e, principalmente, livre de qualquer tipo de relacionamento abusivo, de qualquer âmbito.

ACG | Diário de Negócios| c/ Inforpress | Cidade da Praia – Palmarejo Grande | 2021.

Cidade da Praia
Rua NhoKziz, Palmarejo Grande
(Rotunda de Mirflores)
Cidade da Praia
 
Telemóvel
CVMóvel: (+238) 9723363  |  TMais: (+238) 9371416
 
 
Comercial:
 
Administração:
 
Gestão do Site:
 
 
 
 

Estatuto Editorial:

Diário de Negócios é um projecto profissional que se dedica ao jornalismo económico, financeiro, empresarial e sobre negócios e mercados de valores, abrangendo um contingente de temáticas que se relacionam com essas áreas.

Diário de Negócios é um jornal on-line que pratica um jornalismo especializado na grande área da economia e das finanças, fornecendo aos leitores um conjunto de informações que preponderantes para a tomada de decisões que afectam as suas vidas e os seus investimentos.

Diário de Negócios define como grandes áreas da sua cobertura jornalística os sectores da economia, finanças, política e sociedade.

Diário de Negócios é um órgão de informação que surge a partir das mudanças tecnológicas, que promoveram o surgimento de uma nova conceção do mercado e de novas formas de se promover negócios à escala mundial.

Diário de Negócios prima por um jornalismo de referência, exigente e de profundidade, que recusa o sensacionalismo como estratégia para a conquista do mercado.

Diário de Negócios hierarquiza os factos noticiosos segundo os critérios de noticiabilidade, valorizando as informações que permitem um melhor conhecimento e uma melhor literacia económica da parte dos leitores.

Diário de Negócios prima pela eficácia da informação, criatividade da abordagem jornalística e imaginação, propondo, à sociedade, um jornalismo moderno, atractivo e dinâmico.

Diário de Negócios defende o pluralismo de ideias, a diversidade das correntes de opinião no seio da sociedade e a liberdade de expressão e de imprensa como princípios basilares das sociedades de direito democrático.

Diário de Negócios valoriza a informação sobre a diáspora cabo-verdiana e considera como seus limites a esfera dos direitos privados dos cidadãos e as demais fronteiras restritivas estabelecidas pela lei.